bengala

Bengala especial auxilia pessoas com Doença de Parkinson

Desenvolvida pelo Instituto Federal da Bahia, a bengala ajuda no restabelecimento das funções motoras das pernas.

Pesquisa desenvolvida no Instituto Federal da Bahia (IFBA) procura aumentar a qualidade de vida de pessoas portadoras da Doença de Parkinson. Um protótipo de bengala atua no reestabelecimento das funções motoras das pernas através de um estímulo vibratório em caso de paralização durante uma caminhada.  A ação é financiada com recursos de edital do Ministério da Educação para o desenvolvimento de projetos de pesquisa aplicada, inovação e extensão tecnológica nos Institutos Federais.

De acordo com coordenador do projeto, professor Emir Josemir Alexandrino, a bengala atua como um mecanismo de estímulo aos pacientes. “A pessoa acometida pelo Parkinson sofre de uma interferência em seus movimentos conhecida como freezing, ou seja, um congelamento de sua capacidade motora e que atrapalha na execução das atividades diárias, inclusive ocasionando quedas em caso de paralisação das pernas”, disse.

Josemir, que é professor de Engenharia Biomédica do Campus Salvador, explica que a bengala atua no estímulo ao paciente para que ele saia do ‘estado de congelamento’, o que lhe ajuda a restabelecer o movimento das pernas.

O protótipo está em fase de testes com pacientes do Centro de Referência Estadual de Atenção à Saúde do Idoso (CREASI), em Salvador. Para Aisha Muiños, estudante do curso de engenharia elétrica industrial e bolsista do projeto, a bengala irá auxiliar pessoas com dificuldade de marcha. “A minha expectativa é que o projeto vire produto e possa melhorar a vida de muitas pessoas”, comenta.

Segundo o professor, os esforços agora estão concentrados no aprimoramento e conclusão do protótipo para que ele possa ser patenteado. Sua conclusão está prevista para o terceiro trimestre de 2016.

 

Fonte: Portal MEC

Foto: Divulgação

Related News

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Todos os direitos reservados Jornal SuperaBR